Capa

Rally Transparaná 2021 fez o chão do Paraná tremer e revigorou o clima do evento

Os campeões da Máster: Leandro Moor e Gustavo Schmidt
(Paulo Valente)

Os campeões da Graduado: José Andrade Júnior e Bernardo Schafer Andrade
(Paulo Valente)

Os campeões da Turismo: Marcos Messias Cominesi e Lucas Messias Cominesi
(Paulo Valente)

Os campeões da Light: Vinicius Gustman e Felipe Tavares
(Paulo Valente)

Categoria Adventure também encarou muitos desafios off-road ao longo do roteiro
(Cintia Tschoke)

A categoria Adventure retornou em grande estilo ao Transpará
(Cintia Tschoke)

O 27º Transparaná foi um grande sucesso! Em tempos de pandemia, o formato foi revisto para que todos tivessem segurança, e o resultado não poderia ter sido melhor: dentro das trilhas, a alta competitividade e os carros acelerados; fora das trilhas, pessoas alegres e satisfeitas

23.02.2021  |  369 visualizações

Poeira, pedras... Acelera, freia... Curvas, laços, aquela balaiada para deixar pilotos e navegadores alucinados (e alguns perdidos) ... Estradas vicinais, trilhas de áreas de reflorestamento... Etapas altamente técnicas, muita velocidade... Competitividade, tensão, adrenalina, alegria! Foram cerca de 1 mil quilômetros percorridos (um roteiro 90% inédito), em quatro dias de provas, entre 16 e 20 de fevereiro. O Transparaná 2021 certamente deixou saudades! 

Com o apoio do Governo do Estado do Paraná, o 27º Transparaná largou da cidade de Foz do Iguaçu, tendo como ponto de partida o Parque Nacional do Iguaçu – uma das Sete Maravilhas do Mundo. A chegada ocorreu no Palácio Iguaçu, sede do Governo, em Curitiba. 

Aqui a chinela canta! 

O 27º Transparaná reuniu um grid formado por 108 veículos, divididos nas categorias Máster, Graduado, Turismo, Light e Adventure. Obedecendo aos protocolos de biossegurança de prevenção do Covid-19, estiveram presentes representantes de 13 estados e 45 cidades. 

E os primeiros quilômetros já foram bem “pegados”. O diretor de prova, Vander Hirt, o Fritão, abriu o certame com um belo de um balaio, com muitas pegadinhas. Os navegadores foram bem exigidos, com uma pressão bem forte para não perder as direções corretas. Médias de velocidade justas, referências curtas e muita, mas muita poeira. Para quem assistia do lado de fora, via carros para todos os lados! Foi bonito de ver a habilidade dos competidores, que não economizaram nas manobras. 

“Eu pensei que haveria um tempo para aquecimento, se ambientar com o equipamento e tal; mas não, já começou a todo vapor. Fiquei atordoado com tanta informação; e vai pra lá, vai pra cá...”, brincou o piloto Humberto Ribeiro, que veio de Teresina (PI) para participar do Transparaná. “Essa foi a minha estreia como piloto de rali de regularidade. Tenho muita experiência como navegador de rali cross-country, mas são duas modalidades bem distintas. O Transparaná está de parabéns, fiquei surpreendido com a grandiosidade do evento, o nível dos participantes e o profissionalismo de toda a equipe técnica”, completou ele, que contou com a navegação de Cesinha Pereira. As duplas só tiveram trégua quando a etapa terminou, em Cascavel. 

Desbravando o Paraná 

Além das cidades sedes do Transparaná, o evento também cruzou mais de 30 municípios, a exemplo de Laranjeiras do Sul, Goioxim, Palmeirinha, Guará, Imbituva, Porto Amazonas e São Luiz do Purunã. 

O segundo dia de Transparaná teve como destino a cidade de Guarapuava. A prova foi em linha, passando por fazendas de reflorestamento de pinus. Não faltaram os tradicionais balaios. 

A largada para a terceira etapa – de Guarapuava a Irati – trouxe um “Q” especial: um desafio na pista de motocross localizada ao lado do Rio Jordão... Um cenário perfeito para os off-roaders! De acordo com Fritão, o terceiro dia foi o mais veloz, com médias de velocidade bem altas, muitas mudanças de direção e vários balaios. 

A grande chegada 

E que chegada! O pórtico foi montado no Palácio Iguaçu e “que honra poder levar o Transparaná para a sede do governo do Estado. Foi emocionante! O Transparaná representa o que há de melhor em nossa região. Incentivamos o esporte automotor, impulsionamos o turismo, atraímos pessoas para cá... O Jeep Clube de Curitiba ficou enaltecido com o reconhecimento do governador Ratinho Júnior”, salientou o diretor geral do Transparaná, Vinicius Gunha, o Gallo. 

A etapa decisiva passou pela Fazenda Santa Joana, que ofereceu uma vasta opção de trilhas extremamente técnicas, além dos muitos balaios que continuaram exigindo o máximo de atenção de pilotos e navegadores. Foi “faca nos dentes” do começo ao fim do rali. 

“Esse foi um Transparaná memorável. Foi um evento difícil de começar a fazer devido a situação da pandemia e pensamos se seria viável ou não. Mas o Transparaná não gera aglomeração nas corridas, no máximo nas chegadas das etapas (por isso, não divulgamos muito a nossa passagem, para evitar que as pessoas fossem até os locais). Mudamos o sistema de premiação, para um formato mais simples, que recebeu 100% de aprovação”, contou Gallo, agradecendo o incentivo do Governo do Estado, das prefeituras e dos patrocinadores. 

 

Classificação final – 27º Transparaná

Categoria Máster 

1º Leandro Moor e Gustavo Schmidt, 185 pontos

2º Leandro Riffel e Michael Masson, 163 pontos

3º Cristiano Rocha e Luiz Roberto Spessato, 120 pontos

4º Eduardo Moser e Henry Ritter Kirst, 107 pontos

5º Marcelo Gouveia e Igor Quirrembach, 105 pontos

 

Categoria Graduados 

1º José Andrade Júnior e Bernardo Schafer Andrade, 170 pontos

2º Paulo Antonio Lacowicz e Ramon Paulo Lacowicz, 126 pontos

3º Rui Cesar Schimtz e André Luiz Lenger, 116 pontos

4º Marcos Evangelista e Rodrigo Silva, 97 pontos

5º Benedito Lopes e Fernando Freneda, 87 pontos

 

Categoria Turismo 

1º Marcos Messias Cominesi e Lucas Messias Cominesi, 148 pontos

2º Cezar Leobet e Eduardo Leobet, 146 pontos

3º Rodrigo Lolezano Daraio e Renan Toguchi, 136 pontos  

4º Osmar Fleischmann e Vitor Fleischmann, 136 pontos

5º Eder Reis e André Tondin, 119 pontos

 

Categoria Light 

1º Vinicius Gustman e Felipe Tavares, 182 pontos

2º Marcelo Vassoler Sanches e João Batista de Souza Freitas, 153 pontos

3º Denilson Bonfanti e Bruna de Oliveira, 149 pontos

4º Marco Brigagão Carraresi e Leonardo Carraresi, 147 pontos

5º Pedro Abram e Amauri Cabrini de Almeida, 124 pontos

 

*Resultado completo no site Transparaná.

 

O 27º Transparaná é patrocinado por Governo do Estado do Paraná, Sanepar, Copel Energia, Prati Donaduzzi, Dispauto Auto Peças, GS Performance, Mamute Off-Road, Acassius Centro Gráfico, Trilha Euro Car, Troller, Ekron Off-Road. 

Tem apoio de Estrada Distribuidora de Combustível, Guarapuava 4x4, Velho Madalosso, Bemajjy Bolsas, RL Cópias, Insam, Fábrica das Cópias, Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu, Prefeitura Municipal de Cascavel, Prefeitura Municipal de Guarapuava e Prefeitura Municipal de Irati.

Leia também...

23.03.2021

Mulheres empreendem mais na pandemia

A força do empreendedorismo feminino. Nos negócios, as mulheres demonstraram ser mais articuladas e inovadoras para superar os desafios da pandemia. Em 2020, houve um aumento de 40% no número de micro e pequenas empresas abertas por mulheres

25.02.2021

Abertura de empresas em 2020 bateu recorde. Oito dicas para manter o negócio aberto

O ano de 2020 foi marcado pela pandemia do Covid-19, queda da atividade econômica e elevação do índice de desemprego. Entretanto, o Brasil teve o melhor desempenho no que diz respeito a abertura de novas empresas

22.02.2021

Piloto Marcos Bezerra retorna ao rali de regularidade e completa o Rally Transparaná 2021

Os competidores encararam muito calor, poeira e etapas de alto nível técnico ao longo de quatro dias de disputas e cerca de 1 mil quilômetros, entre as cidades de Foz do Iguaçu e Curitiba

22.02.2021

Piloto paranaense retorna ao rali de regularidade e completa o Rally Transparaná 2021

Os competidores encararam muito calor, poeira e etapas de alto nível técnico ao longo de quatro dias de disputas e cerca de 1 mil quilômetros, entre as cidades de Foz do Iguaçu e Curitiba

Entre em contato