Capa

Dislexia: convênios médicos são obrigados a cobrir tratamentos

Distúrbios neurológicos: convênios médicos não podem negar tratamento
(.)

Famílias podem entrar com ação na justiça para requererem seus direitos
(.)

Sem tratamento, alguns distúrbios podem limitar o desenvolvimento nos estudos
(.)

Convênios médicos se negam a oferecer cobertura para o tratamento de distúrbios neurológicos em crianças; entre os mais comuns estão a dislexia, o autismo, TDAH e o leocomalácia. Para requerem seus direitos, famílias são obrigadas a entrar na justiça

08.10.2019  |  561 visualizações

Poucas pessoas sabem, mas aqueles que possuem convênio médico e têm filhos com algum tipo de distúrbio neurológico – dislexia, o autismo, TDAH e o leocomalácia – tem direito ao tratamento completo. Tais distúrbios não têm cura, porém, quanto mais cedo forem diagnosticados e receberem suporte adequado, mais favoráveis serão os resultados para uma qualidade melhor de vida. 

A dislexia, por exemplo, se não acompanhada de forma apropriada, pode limitar o desenvolvimento nos estudos e na carreira e, em casos mais graves, levar à depressão. Para tanto, existem alternativas para controlar os sintomas, que consistem em psicologia, fonoaudiologia, psicopedagogia, equoterapia e música terapia. Sem acesso ao convênio médico, a família pode ter uma despesa média de R$ 3.000,00/mês. 

Segunda a advogada Adriana Moretti, do escritório Pasquino & Moretti Advogados, a falta de informação e de conhecimento levam às pessoas a não requerem seus direitos e, muitas vezes, por limitação financeira, ficam sem acesso ao tratamento, tão fundamental para o desenvolvimento de um portador de distúrbio neurológico. 

“Esse tipo de tratamento não corresponde as diretrizes de utilização estabelecidas no rol da ANS – Agência Nacional de Saúde –, e a maioria dos casos tem a cobertura negada baseada em cláusula contratual restritiva. Porém, a Constituição Federal dá o direito à vida e, por meio de ação judicial, é possível ter a cobertura completa”, disse Adriana, especialista em Direito Médico e da Saúde. “É importante reiterar que não se trata de uma ação judicial simples. É preciso saber quais os caminhos percorrer e como fazê-los. Todos os processos que entramos na justiça, tivemos ganho de causa”, completou.   

Por se tratar de distúrbios neurológicos, não existe prevenção. Para detectá-lo é realizado um longo acompanhamento por neurologistas, fonoaudiólogos e psicólogos. Após profunda análise – incluindo exame de ressonância, testes de audição, visão, provas de fluência verbal e desempenho cognitivo –, é identificado o tipo de distúrbio, além de apontar possíveis problemas emocionais ou neurológicos, que interfiram na leitura e na escrita para que seja prescrito o tratamento ideal. “O paciente luta e vence todos os dias. Através da especialização em direito médico e da saúde, pude ver o mundo com outros olhos”, finalizou Adriana. 

 

Sobre a fonte especialista:

Nome: Adriana Moretti

Profissão: Advogada

Mini-currículo: Sócia do escritório Pasquino & Moretti Advogados, é Pós Graduada em Processo Civil, Direito do Consumidor e Especializada em Direito Empresarial, Médico e da Saúde.

É executiva jurídica com mais de 20 anos de experiência, com sólida carreira profissional desenvolvida em departamento jurídico de empresa de porte mundial.

Possui vasta experiência no contencioso cível, consumidor, contratos, advocacia médica e da saúde, empresarial e propriedade intelectual.

Leia também...

04.12.2019

Ello MotorSports engrossa o grid do Sertões Series Rota Sul

O estado do Rio Grande do Sul volta a figurar no automobilismo off-road. Começa nesta quinta-feira (05) o Sertões Series Rota Sul com largada na cidade de Pelotas e chegada em Porto Alegre. Serão 1.100 quilômetros de competição

27.11.2019

Mercado digital: cinco dicas para infoprodutores começarem 2020 com o pé direito

O ano de 2019 ainda não terminou... Portanto, antes que ele acabe, planeje e comece desde já a colocar em prática as ideias para 2020. Comece o ano novo com tudo organizado e funcionando

25.11.2019

5 de dezembro: Dia Internacional do Voluntariado

O voluntariado educativo permite que valores éticos sejam vivenciados dentro e fora da sala de aula e trazem experiências singulares aos alunos

21.11.2019

Alienação parental tem penalidades previstas por lei

Dificultar o convívio ou induzir um filho a não gostar da outra parte genitora é ação que infringe a lei. Diversas são as penalidades para quem pratica a alienação

Entre em contato